Ceifar, reconstruir, amar...


29/04/2008


RETALHOS

 

 

Rasga o tempo que se refaz, tardiamente
Entre a noite e o dia, preso a ciclicidade
Traz a paixão diante do ato reprimido 

Assim como o coração que tarde, arde
Lentamente neste vendaval servindo Marte
Hoje sem ontem, sem amanhã, esprimido
Olvidando a tradição e toda a magia
São os avessos, são retalhos de almas sem guias.

 

Onde estão os demônios e os santos de outrora?

Quem ensinará o canto que acalma a impaciência 

Abraçará a causa da nossa ausência de disciplina?

Protegerá contra a ira que autodestroi a essência  

Cavará revelando o âmago de nossas fraquezas

Diminuindo nossa ânsia diante de tantas incertezas

Ensinará à semente, germinando, a esperar o fruto 

Antes que os vermes antecipem seu proprio luto.

 

 

- Maria Rita -

Escrito por Maria Rita Pereira da Silva às 10h16
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

26/04/2008


 

LOS RETRATOS DE LOS NIÑOS DEL EXODO
de Sebastião Salgado Êxodos e Crianças

Escrito por Maria Rita Pereira da Silva às 00h08
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

Escrito por Maria Rita Pereira da Silva às 00h06
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

18/04/2008



...Penso nas crianças que rejeitadas desde o principio, pela inadaptabilidade aos padrões estéticos burgueses ou pela falta de recursos em se poder fazer parte daquilo que a mídia propõe a vender como necessidades para que o indivíduo sinta-se inserido. Estes jovens e crianças cuja psique ainda frágil, pelo fato mesmo de sua imaturidade, por não terem recebido uma orientação ética, quanto aos verdadeiros valores a serem cultivados e respeitados, ficam submersos a um sentimento de menos valia que deteriora a percepção de si e aceitação das suas possibilidades em inserir-se corajosamente e heroicamente ao universo que também lhes pertencem.



Maria Rita Pereira



Escrito por Maria Rita Pereira da Silva às 12h04
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

10/04/2008


...     

 

PATINHO FEIO

- ao excluído -

 

 

Produto inacabado

Interlúdio de algo
Possibilidade do melhor
Desde o início do existir
A coisa certa, uma busca
O desejo de transcender
Foi esta a força motriz

Desde a ventania - o nascer

Admitir o pertencimento
Assumir-se excluído, povo, massa
Libertar-se do julgamento
Ser feliz

 

Não permitiram que adentrasse por completo
Do pouco que ofertaram,
eximiram-se da culpa
Pelo fato de ter lhe dado possibilidades,
sobrevive como ego.
Produto inacabado da idealização do outro
O patinho feio
Até encontrar a própria identidade,
Aceitar a grandeza,

- doa a quem doer - 

Ser cisne.

 

Maria Rita Pereira

 

 

 

Escrito por Maria Rita Pereira da Silva às 10h23
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

Perfil

Meu perfil
BRASIL, Mulher, Maria Rita P.

Histórico